(41) 3035-2569 / (41) 9.9808-0067 contato@afpm.com.br

      A servidora pública de São José dos Pinhais Alexandra Santana tem dois filhos, o Cristofer e a Isadora. Há um ano e meio ela recebeu um diagnóstico que mudou a vida da família: o pequeno Cristofer tem autismo. Os exames e consultas que deram o veredito foram feitos através do convênio médico oferecido pela Associação dos Servidores Públicos Municipais de São José dos Pinhais, a AFPM. Através do mesmo convênio, hoje Cristofer faz diversas terapias e já apresenta grande evolução nos sintomas.

      Alexandra trabalhou oito anos na Secretaria de Administração e Recursos Humanos do município. Com a chegada dos filhos, um em 2016 e outro em 2017, ela pediu transferência para a Secretaria de Educação, com a intenção de ficar mais perto dos dois. Ela hoje trabalha no mesmo CMEI em que eles estudam, e foi justamente na escola que os primeiros sinais apareceram. “A escola percebeu que ele falava pouco, não se expessava como as outras crianças da mesma idade e não gostava de interagir”, conta.

      Ela começou a perceber outras atitudes diferentes do filho e pesquisou sobre o autismo. Depois de vários exames e consultas com especialistas, depois de muitas respostas subjetivas, um neurologista deu o laudo confirmando que Cristofer é autista de grau leve. “Na semana seguinte ele já fez consulta com a fonoaudióloga, terapia ocupacional e pouco tempo depois começou o atendimento com psicóloga”, afirma.

      Um ano e meio depois, agora com quatro anos de idade, Cristofer já apresentou melhora. Ele antes nem tocava em massinhas de modelar, e hoje já brinca com elas. Tinha hipersensibilidade no couro cabeludo e hoje já deixa cortarem seu cabelo. Começou a falar mais e aos três anos deu o primeiro beijo na mamãe, que se emociona a cada conquista.

      A história de Alexandra e Cristofer é a homenagem da AFPM pelo Dia Mundial de Conscientização do Autismo, lembrado hoje, 2 de abril. A servidora associada deixa uma mensagem importante para outras mães: “Quanto mais cedo a gente começa as terapias, mais rápido os comportamentos amenizam. Se o acompanhamento demorar, os sinomas podem ficar mais intensos. Existe medo, insegurança, por não saber o que é o autismo. Procurem se informar com médicos especialistas para saber onde buscar ajuda e identificar as dificuldades do seu filho. A gente passa a comemorar as pequenas coisas, cada conquista, e viver cada dia de uma vez, sem ficar naquela preocupação do amanhã”, lembra.